Fórum da Aprendizagem Criativa

Projetos de Aprendizagem Criativa em modalidades de longo prazo

Pessoal, pensando sobre o que acontece depois que uma criança participa de uma atividade de aprendizagem criativa, como ela leva essas ideias para frente nas práticas da escola ou em outro ambiente?
Gostaríamos de conhecer projetos de longo prazo, tipo 6 meses, que são no espírito de aprendizagem criativa e envolvem as mesmas crianças ou jovens.
Tem alguns exemplos legais acontecendo por aí que podem compartilhar conosco?
Muito obrigada!

1 Curtida

Bom dia @annbv!

Cientificamente nossos métodos por aqui não estão muito formais. Entretanto tivemos alguns insights ao longo do tempo que nos levaram a modificar nossa forma de atuação que era o foco no aluno, para foco no professor e na sua formação básica como pesquisador para que possamos ter volume e massa crítica.

A população que vou me referir, é bem baixa, entretanto bem próxima.

Caso 1:
2 Alun@ que acompanhamos durante aproximadamente 7 meses, em atividades semanais em computação criativa e aprendizagem criativa

Caso 2:
3 Alun@s que acompanhamos durante 7 meses, em atividades pontuais de introdução a computação criativa e aprendizagem criativa

Caso 1: ( Escolas privadas )
Inicio das Atividades com Computação Desplugada (2 aulas)
Movemos para Hour of Code (3 aulas)
Fomos para Scratch ( em torno de 18 aulas )
Passamos para Microbit ( 3 aulas )
Neste meio tempo, muitas atividades mão na massa, e conectadas com os conteúdos ministrados em suas escolas

Alun@ A
Tivemos um pouco de dificuldade no começo, alguns conceitos de programação em blocos causaram confusão.
Ele estava em um processo de mudança de cidade, o que causa uma certa tensão, isto pode ter influenciado no seu nivel de engajamento. Inclusive ele perdeu muitas aulas, o que dificultou bastante para ele acompanhar o Alun@ B

Alun@ B
Bastante motivad@, desde o princípio, ele evoluiu muito bem com a parte desplugada, usar o scratch abriu um novo mundo, entrou em comunidades, compartilhou projetos e criou um canal próprio onde desenvolve seus próprios projetos.
Gosta muito de interagir com fisico e virtual. Está sempre nos cobrando por novas oficinas para aprender coisas novas.

Caso 2: ( Ensino publico e privado )
Oficinas pontuais de AC e CC.
Cantinho Mão na massa
Scratch
Scratch + Makey Makey

@s Alun@s, demonstram grande engajamento nas atividades.
Alun@ A, sempre entre muito timid@ nas aulas, braços cruzados e ombros tensos. Na metade da aula já está colaborando, sorrindo e confortável.
Alun@s B,C entram com maior facilidade nas atividades, colaboram facilmente e sempre nos cobram para participar de mais atividades.

Além destes Alun@s, dentro do projeto de Clubes de Computação criativa, (4 escolas aqui em pelotas, aprox 50 alun@s), são realizadas atividades semanais, e nosso ponto de contato são os professores. Como os professores costumam nos procurar bastante, e são assíduos em nossas reuniões, inferimos que as atividades tem engajado os seus alun@s. Entretanto uma analise mais profunda, e sistemática, está sendo elaborada para termos um melhor acompanhamento.

Cheers!

Olá Ann Berger, boa noite.

Entendo sua preocupação e seu interesse,
Como exemplo de projeto de longo prazo, posso citar um trabalho que desenvolvi durante dois anos na cidade de Uberaba - MG, o qual denominamos Clube do Bit
Para maiores detalhes, basta clicar no link abaixo:
https://www.linkedin.com/pulse/protagonismo-na-escola-form%C3%A7%C3%A3o-cidad%C3%A3-alexandre-bastos/

@TiagoPrimo e @Alexandre_Pelotas_RS Obrigada por compartilhar estas experiências. É interessante saber da evolução do trabalho em Pelotas com esses alunos especificamente e agora nas escolas por meio dos clubes de computação criativa. Também o exemplo de protagonismo no Clube do Bit na escola municipal em Uberaba.

Pessoal, mais algum exemplo de projetos no espírito de aprendizagem criativa que envolvem as mesmas crianças ou jovens por um período de vários meses? Não precisa necessariamente usar a tecnologia digital…

1 Curtida

Boa noite @annbv
Meu filho Raul Mateus está entre um desses casos, tem apenas seis anos, ainda nem foi alfabetizado e já se interessa por toda e qualquer experiência criativa, brinca com legos desde que nasceu, adora massinhas de modelar e me desafia sempre a fazer novas experiências para levar aos seus colegas e também para meus alunos. No início deste ano me pediu para assistir a um vídeo de dobraduras de papel onde aprendeu a fazer uma shuriken, e a partir disso passou a ensinar de maneira proativa outras pessoas a fazerem e também passou a apreender com elas outras dobraduras, semanalmente ele me acompanha na escola onde exerço função de coordenação e seu entretenimento é com as dobraduras onde ele interage com professores e alunos da escola, gosta de desenhar e de montar quebra-cabeças com mais de 100 peças. Ele me inspira muito na realização destas atividades no processo criativo de meus alunos e percebo que seu prazer em se colocar proativo é resultado desses estímulos que recebe. Recentemente realizei um Scratch Day onde fiz uso do método ativo chamado de rotação por estações, defini além do Scratch, uma estação para foguetes e outra para dobraduras de papel. Levei ele comigo para participar das oficinas que eram voltadas para pré-adolescentes de 13 anos em diante, o resultado foi que ele se tornou a atração da dobraduras, além de se divertir com os lançamentos dos foguetes e interagir com os participantes. Estou desenvolvendo aprendizagem criativa como minhas turmas de curso técnico integrado à informática pelo segundo ano consecutivo, ano passado apresentei na 1a. CBAC uma das atividades que realizei com uma turma que agora encontra-se no terceiro ano. A evolução individual e coletiva destes alunos é gritante, tratam-se de adolescentes de 16 à 18 anos que estão em vias de prestar exames para o ENEM e não se percebe mais, nem de longe, aquela turma apática que me parecia no início do ano letivo de 2018, o mais importante, eu também me transformei proativamente neste período e, ao contrário do que eu pensava, agora sei que sou muito criativo, graças à meu filho e a este trabalho que venho realizando com meus alunos.

Desenvolvo na instituição em que trabalho uma oficina com kits EV3 de Robótica, desenvolvimento da linguagem de programação com papel, Code.org ,produção de vídeos em realidade virtual e animações em videos com alunos de 4 e 5 anos do Ensino Fundamental que acontece semanalmente durante todo ano letivo.

Olá, Ann!

Meu nome é Katia, sou arte-educadora em Belo Horizonte e estudante do curso de Especialização em Artes Visuais e Tecnologias Contemporâneas na Universidade Federal de Minas Gerais.
Conheci a Rede Brasileira de Aprendizagem Criativa por meio do Thiago que também é de BH. Desenvolvo em uma escola pública de periferia, um projeto chamado: “INVENCIONÁTICA, um Outro olhar Para O Ínfimo”, que mistura Arte, Literatura e Sustentabilidade.
Este trabalho surgiu a partir de uma demanda levantada pelos alunos sobre o descarte indevido de resíduos e rejeitos em frente à escola.

Nossas aulas desde então, viraram um laboratório de invenções: por meio do poeta Manoel de Barros e do artista Vik Muniz, os estudantes passaram a ter um outro olhar para as coisas “desimportantes”, transformando-as em ideias geniais.

O vídeo testá disponível no link:
https://www.youtube.com/watch?v=zl2PEtD1oXc&t=5s

Ola Ann e demais colegas da Rede,
Nosso Programa desenvolve e aplica a “Metodologia Científica ao Alcance de Todos”, usando os preceitos da AC, desde 2011. Detalhes da metodologia podem ser vistas no banco de práticas aqui da Rede (http://198.74.56.136/pt-br/node/283) e no nosso site (www.cienciaparatodos.com.br)
Em linhas gerais, os estudantes desenvolvem os projetos ao longo do ano letivo e grande parte deles participa por mais de um ano do Programa.

Oi Pessoal!
Tudo bem? Desenvolvemos aqui no Laboratório de Experimentação Remota (https://rexlab.ufsc.br/) um programa de integração de tecnologia na educação básica intecedu. O Programa iniciado em 2008 conta atualmente com participação de 28 escolas, 360 professores e 6.776 alunos. Priorizando software e hardware open source e conteúdos digitais abertos buscamos parcerias para compartilhamento e reaplicação de recursos.
Assim, gostaria de apresentar-lhes o programa e colocar o RExLab a vossa disposição.
Abraços,
Juarez