Minas Gerais Aprendizagem Criativa


#1

Mundo Meu Micromundos Rede de Escolas e Espaços Criativos para a Zona da Mata mineira.

Você já ouviu falar na expressão Espaço Criativo?

Espaço Criativo é o resultado prático de um conceito disseminado pela Fundação Lemann e o Lifelong Kindergarten do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) e MIT Media Lab para identificar ações que integram a chamada Rede de Aprendizagem Criativa.

A cidade de Cataguases, situada na Zona da Mata mineira, inicia sua trajetória para se tornar um Núcleo Regional de Aprendizagem Criativa, com o apoio do Instituto Francisca de Souza Peixoto, Secretaria Municipal de Educação de Cataguases e Superintendência Regional de Ensino de Leopoldina, através do projeto Mundo Meu Micromundos, selecionado pela Fundação Lemann e MIT, como um dos oito programas aprovados pelo Desafio Aprendizagem Criativa Brasil 2017.

Sobre o Mundo Meu Micromundos
Vivemos uma era de revoluções tecnológicas e nossos jovens terão que atuar em um futuro próximo no Design, Agroecologia, Transporte, Habitação e Saúde, buscando soluções positivas. Eles precisam ser motivados desde cedo a criar e a buscar soluções que envolvam a resolução dos problemas cotidianos. Precisam dialogar, observar o seu território, projetar, construir, modificar, tentar, errar e errar para acertar e também fabricar objetos variados com suas mãos. Está aí, a importância das narrativas sociais, do pensar coletivo e do contato com as tecnologias digitais e do campo da eletroeletrônica para que crianças e jovens desenvolvam gosto pelas Ciências Humanas e Exatas.

No contexto dos desafios escolares para aumentar o índice de proficiência dos alunos, o projeto quer contribuir, trazendo novas metodologias de ensino e aprendizagem para a comunidade escolar.

Para seguir caminhos promissores na sua vida social, escolar e profissional, nossos jovens devem ser motivados e curiosos.Na prática, significa que quem aprende é estimulado a refletir sobre perspectivas futuras para produzir alternativas que solucionem problemáticas da sociedade contemporâneas. É como preparar o jovem para pensar e agir “fora da caixa”.

O projeto utiliza materiais reciclados, sucatas e dispositivos elétricos e eletrônicos. As oficinas de construções criativas e tecnológicas motivam o participante para as novas possibilidades, além de instigar à curiosidade. Ocorrem nas escolas públicas e em espaços públicos. Conscientiza sobre a importância de proteger o meio ambiente, de buscar soluções inovadoras para o trabalho e geração de renda, praticar o consumo consciente e a respeitar a pluralidade cultural, despertando o sentido de pertencimento e valorização dos adolescentes por seu território. Além de inserir o jovem na concepção do Movimento Maker ou Faça Você Mesmo.

OBJETIVO: Articular e fomentar de forma lúdica as Ciências Exatas e Humanas com as práticas dos fazeres e saberes da comunidade.

OBJETIVOS SECUNDÁRIOS:
Despertar o jovem para observar seu território e pensar em coletividade sobre soluções criativas e inovadoras para o seu cotidiano
Produzir oficinas que reúnam as artes cênicas, o design e a tecnologia
Ser um instrumento de auxílio para o professor desenvolver sua teoria na prática de forma criativa divertida e inovadora
Envolver a sociedade com a Educação local, criando pontes fora dos muros da escola
Motivar e apoiar o empodeamento e o protagonismo jovem
Disseminar o conceito de Aprendizagem Criativa

METODOLOGIA:

O projeto atua nas escolas públicas. Os critérios de seleção das escolas participantes do projeto envolvem distribuição geográfica, contextualização social e capacidade de atendimento dos voluntários do projeto a essas escolas. Além disso considera-se o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) das escolas inseridas nas redes públicas de ensino.

É realizada uma parceria com a rede privada de ensino. As escolas particulares são envolvidas nas campanhas de coleta seletiva de material eletroeletrônico e recebem um oficinão de aprendizagem criativa. Além disso, os jovens dessas escolas são convidados a atuarem de forma voluntária nos projetos das escolas da periferia e em oficinas realizadas em praças e espaços aberto e público.

Para atender os princípios da Aprendizagem Criativa, a iniciativa articula os Eixos das Matrizes Curriculares Nacionais para explorar conceitos fundamentais em disciplinas como Português, Matemática, Biologia, Geografia, História, Física e Informática. Utiliza o teatro como meio de compor narrativas e o Scratch para agrupar os elementos construídos e registrados no projeto.

Um ponto crucial do projeto é dar luz aos talentos da comunidade que é convidada a participar, compartilhando suas habilidades e a se mobilizar na campanha de coleta seletiva para captação de materiais a serem utilizados no projeto.

As oficinas abordam atividades de oralidade e produção de texto, elaboração de projetos e técnicas manuais mescladas com a tecnologia, seja na customização de roupas e artefatos ou na confecção de simples circuitos elétricos ou eletrônicos em brinquedos e elementos produzidos pelos alunos, ou de forma mais complexa, com a aprendizagem da linguagem de programação do Scratch ou do Arduíno para dar movimentos aos elementos criados pelos alunos e jovens.

O projeto nasce nas escolas da periferia, conclamando a cidade a ser solidária com as nossas escolas públicas, seus professores e alunos. A equipe do Mundo Meu Micromundos é multidisciplinar e hoje integra professores, pesquisadores, artistas, aposentados, profissionais de várias áreas e jovens universitários que querem partilhar voluntariamente seus conhecimentos nas áreas do Teatro, Comunicação, Informática e Programação, Meio Ambiente, Design, Arquitetura, Engenharia e Novas Tecnologias Digitais.

Os integrantes do projeto Mundo Meu Micromundos têm o desafio de vivenciar as experiências dos professores nas escolas públicas, adaptar suas habilidades profissionais à realidade do contexto social e à necessidade escolar e, buscar soluções inovadoras e criativas que possam ser implementadas nas escolas e compartilhadas com professores e seus alunos.

As oficinas ocorrem nas escolas públicas da periferia da cidade. Tem início no momento pedagógico da escola onde o projeto é apresentado para todos os professores. Espera-se o desejo do professor e sua adesão ao planejamento das ações do projeto, para que o mesmo ocorra de forma interdisciplinar na escola.

REFERÊNCIA TEÓRICA:
Ao dar luz à comunidade local, o projeto está referenciado na Inteligência Coletiva, termo cunhado pelo sociólogo Pierre Levy, que preza a colaboração dos indivíduos em sua diversidade de habilidades e competências, resultando em uma mobilização efetiva das competências locais. Os micromundos de Seymour Papert pode ser entendido como os múltiplos universos do aprender. São ambientes integrados de aprendizagem, onde a tecnologia tem fator preponderante no processo de ensino e aprendizagem

AVALIAÇÂO :
O projeto atua no Ensino Fundamental II, estudantes entre 11 e 14 anos de idade, que hoje são apontados pelo MEC como um dos fatores de dedicação para transformação social e educacional no Brasil. São nesses anos que ocorrem os maiores índices de evasão escolar. O projeto terá o acompanhamento da unidade escolar por 03 anos para verificar o incremento do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) nas redes de ensino, sendo esse, uns dos pontos de avaliação do projeto, além de mensurar o índice de evasão escolar nas escolas participantes do projeto.

Buscamos parcerias com outros estados para formação e intercâmbio dos nossos jovens. Na troca de aprendizados multiplicamos com criatividade a aprendizagem.

Quer saber mais? Entre em contato conosco :slight_smile:
Liliane de paula Mendonça - Coordenadora do projeto
lilianemendoncabrasil@gmail.com


#2

Oi Liliane
Eu me interessei muito em conhecer seu trabalho. Estou em busca de iniciativas inovadoras em MG, em especial BH para onde retornarei no próximo mês. Se passar por lá, favor me inoformar para que possa conhecer pessoalmente. Eu estou mapeando as iniciativas para divulgar na plataforma que criei a partir de iniciativas que acompanho nos EUA, onde vivo. Depois entre para conhecer: Projeto Anita, na plataforma Médium e Facebook. ABC. Luciana


#3

Oi, meninas! Também estou nessa vibe!

Fui selecionada no ano passado pelo programa Google Innovator e estou a disposição se puder ajudar em algo, ainda mais no ensino público!